Latest Post


ELES ESTÃO PEGANDO CARONA NA CRISE EUROPEIA PARA DIFUNDIR IDEIAS PERIGOSAS. 

A ascensão do partido populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD) pode trazer “verdadeiros nazistas” de volta ao parlamento alemão. A afirmação é do ministro do Exterior, Sigmar Gabriel. 

Ele comparou os representantes do tal partido aos seguidores de Hitler. Os ultraconservadores estão aproveitando a calorosa discussão sobre migração, segurança e a crise de empregos na Europa para disseminar o terror entre os alemães. Os nazistas estão fora do Parlamento desde o fim da Segunda Guerra, em 1945.

As eleições parlamentares devem acontecer no dia 24 de setembro  e o temor do ministro é que a população compre esse tipo discurso. 

A AfD foi fundada em 2013 e ganhou popularidade depois que a crise na União Europeia aumentou. Eles são fortemente voltados contra a migração e tentam combater a abertura de fronteiras para refugiados e outros europeus.  

Pesquisas eleitorais mostram que os ultraconservadores podem conquistar entre 8% e 11% dos votos, o que já garante assento no Reichstag. 


Fonte: G1 
Imagem: Matt Gibson / SHUTTERSTOCK


LOCAL PODE TER ABRIGADO ANTIGA CIVILIZAÇÃO.

O Ministério de Antiguidades do Egito anunciou recentemente a descoberta de três tumbas milenares na região de Al Kamin Al Sahrawi, província de Minia, ao sul do Cairo.


Uma equipe de arqueólogos que trabalha na região desde 2015 foi responsável pela descoberta. São três tumbas pertencentes ao período greco-romano (entre 332 a.C. e o século IV), localizadas em um cemitério construído durante a XXVII dinastia (525 a 404 a.C.).
Ayman Achmawy, porta-voz da pesquisa, disse que, no local, foi encontrada “uma coleção de sarcófagos de diferentes formas e tamanhos, assim como pedaços de argila”. Quatro dos sarcófagos encontrados em uma das tumbas possuem rostos humanos esculpidos neles.

A descoberta indicaria que, nas proximidades da jazida arqueológica, poderá ter existido uma grande cidade, já que também foram encontrados vários restos ósseos que teriam pertencido a homens, mulheres e crianças de diferentes idades.




Fonte: BIOBIOCHILE
Imagens: Egyptian Ministry of Antiquities



PROFETA DESCREVE UM LÍDER “GRANDE, DESCARADO, ESPALHAFATOSO E ATREVIDO, QUE SERÁ ESCOLHIDO COMANDANTE DO EXÉRCITO”. 

Nostradamus é o profeta mais famoso da história moderna. Suas profecias vão desde as grandes dinastias europeias até a queda das torres gêmeas. Agora, alguns estudiosos afirmam que ele pode ter previsto também a chegada de Donald Trump ao poder, o Anticristo e a Terceira Guerra Mundial.

Donald Trump venceu as eleições, embora, inicialmente, isso parecesse muito improvável. Por isso, muitos teóricos da conspiração afirmam que Trump se encaixa perfeitamente na figura do Anticristo profetizada por Nostradamus no século XVI, quando ele fala de um “governante militar” que desencadeará a Terceira Guerra Mundial.

Essa profecia descreve um líder “grande, descarado, espalhafatoso e atrevido, que será escolhido comandante do exército”, e diz: “A falsa trombeta que esconde a loucura fará com que Bizâncio mude suas leis”. Muitos relacionam a palavra Trombeta a Trump e acreditam que Nostradamus prevê que Trump enlouquecerá e dará início à Terceira Guerra Mundial em Bizâncio, ou seja, nos atuais Países Bálticos, que sofrem atualmente com a crise dos refugiados.

Isso se enquadraria a muitas profecias da Bíblia, principalmente a do apocalipse, sobre Israel e a chegada do Anticristo. A verdade é que o mundo vive atualmente um estado de alerta permanente enquanto as maiores potências continuam incrementando seu arsenal nuclear. Será Donald Trump o líder militar previsto por Nostradamus e o famoso Anticristo da Bíblia?


Fonte: VIX
Imagem: SHUTTERSTOCK


Na região peruana da floresta amazônica há uma lenda ancestral que narra a história de um rio fervente, capaz de queimar qualquer ser vivo que ouse nadar em suas águas. Além dessa lenda, existem também os relatos dos conquistadores espanhóis. Agora, um cientista peruano conseguiu encontrar esse rio mítico.

Andrés Ruzo descobriu o lendário rio fervente, apesar da descrença dos seus colegas. Segundo seu relato, ele se baseou nas palavras de sua própria mãe, que, certa vez, lhe disse que o rio de fato existia e que ela mesma o havia visto quando era pequena.

Embora a ciência tenha conhecimento dos rios de água fervente, eles são, na verdade, associados a vulcões ou fenômenos térmicos de ígnea. O que ocorre nesse caso é que na região amazônica não existem vulcões conhecidos. Mas quando Ruzo introduziu um termômetro nas águas do rio que encontrou, ele mediu 86 graus Celsius.

De acordo com o cientista, o rio chega a medir 25 metros de uma margem à outra, tem 6 metros de profundidade em média e a água quente flui por 6 quilômetros. O vulcão mais próximo conhecido está a 700 quilômetros de distância, o que faz com que esse rio de água fervente seja um verdadeiro enigma para a ciência.


Assista ao vídeo em que André fala sobre sua descoberta: 



Fonte: VIX Imagem:
Sofía Ruzo

O Prefeito Fernandinho Medeiros está na capital do País Brasília-DF buscando soluções para terrível situação hídrica que o município de Pendências vem passando.

Cumprindo com sua agenda de compromissos o gestor municipal participou de uma reunião com o ministro da Integração Nacional, Hélder Barbalho, para discutir ações de convivência com a seca.

A comitiva potiguar formada por prefeito do vale do Assú e região que esteve presente na audiência, solicitou a liberação de recursos para reforçar abastecimento de água para 600 mil pessoas.

Também foi solicitado ao Ministro da Integração Nacional liberação de recursos para a Operação Vertente, que utiliza carros pipa para abastecer diversas cidades. Hoje são 20 cidades atendidas e uma população de 110 mil habitantes. A previsão é de que outras 45 cidades precisarão ser abastecidas com carros pipa até o final deste ano devido à falta de chuvas.

Outra medida apresentada por Robinson Faria é a construção de uma adutora emergencial do município de Afonso Bezerra até Pendências para abastecimento de 78 mil pessoas. Esta adutora irá conduzir a água de cinco poços já perfurados pela Caern. Para isso são necessários recursos no montante de R$ 68.457.292,22.



O WhatsApp tem um novo recurso que pode ser uma alívio para o seu smartphone com pouco espaço na memória. Agora, os usuários de celulares com sistema Android podem ver facilmente quanto espaço as mídias, como fotos e vídeos, recebidas no app ocupam no aparelho.

O recurso não é novo para usuários de iPhones, que receberam a novidade antes.

No Android, o caminho é o seguinte: configurações>uso de dados e armazenamento>uso de armazenamento. Ali, você verá todas as suas conversas, listadas da que tem mais mídias ocupando espaço para a que tem menos.

Ao tocar em uma delas, você poderá selecionar a opção gerenciar e escolher excluir as imagens e vídeos compartilhadas naquela conversa.

A novidade deve ajudar especialmente quem tem smartphones com 16 GB de armazenamento ou menos, já que o sistema Android ocupa grande parte desse montante, deixando pouco espaço realmente disponível para o uso.

Veja aqui três recursos pouco conhecidos do WhatsApp no vídeo a seguir.

Exame



O comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, disse que o general Antonio Hamilton Mourão, que admitiu a possibilidade de uma intervenção militar no país em função da crise institucional e política, não será punido. O comandante também declarou que a possibilidade de uma intervenção “ocorre permanentemente” e que e “as Forças Armadas têm mandato para fazer [uma intervenção militar] na iminência de um caos”. Afirmação segue a linha do discurso defendido por Mourão, que disse que o Exército tem “planejamentos muito bem feitos” sobre o assunto.

Na última segunda-feira (18), o ministro da Defesa, Raul Jungmann, havia pedido explicações e cobrado “medidas cabíveis a serem tomadas” contra o general Mourão por suas declarações defendendo um golpe militar. Segundo o comandante, Mourão, é “um grande soldado, uma figura fantástica, um gauchão”.

Nessa terça-feira (19), em entrevista ao jornalista Pedro Bial, Villas Boas afirmou que Mourão não desrespeitou a legislação que proíbe oficias da ativa se posicionarem em relação ao quadro político-partidário nacional. Ele também defendeu a fala do subordinado.

“Se você recorrer ao que está na Constituição, no artigo 142, como atribuição das Forças Armadas, diz que as Forças podem ser empregadas na garantia da lei e da ordem por iniciativa de um dos poderes”, disse o comandante do Exército na entrevista.

“O texto diz que o Exército se destina à defesa da pátria e das instituições. Essa defesa poderá ocorrer por iniciativa de um dos poderes, ou na iminência de um caos. As Forças Armadas têm mandato para fazer”, completou.

Com informações do 247


Em 1920, uma notícia surpreendeu o mundo. Duas meninas britânicas disseram ter conseguido fotografar fadas. E para completar, o criador do famoso detetive Sherlock Holmes, o escritor Sir Arthur Conan Doyle, deu seu aval à história, dizendo que as fotos provavam que fadas de fato existiam.

As responsáveis pelas fotos, Elsie Wright, de 16 anos, e Frances Griffiths, de 9 anos, disseram ter fotografado as fadas no jardim da casa onde viviam, no norte da Inglaterra.

A história das meninas, com o endosso do famoso escritor, se alastrou pelo mundo e se manteve até 1983, quando Elsie Wright finalmente admitiu que as fadas eram falsas.

Mas como foi possível que duas meninas enganassem o mundo dessa maneira? A BBC tenta desvendar esse mistério com a ajuda da escritora Hazel Gaynor, que escreveu um romance baseado no caso. Ela falou ao programa Witness, do Serviço Mundial da BBC (BBC World Service).

Jardim Encantado
A história começa no jardim de uma casa no vilarejo de Cottingley, próximo à cidade inglesa de Leeds. Elsie Wright e sua prima Frances Griffiths passaram o verão de 1917 brincando no fundo do jardim, onde corria um riacho. E brincando - segundo elas - com fadas.

"Frances estava encantada com o local, a natureza e a atmosfera do lugar. Na vida adulta e até sua morte, ela sustentou a história de que ela e a prima tinham mesmo visto fadas ali", diz Gaynor.

A menina Frances Griffiths tinha se mudado da África do Sul, junto com a mãe, para morar com a tia, o tio e a prima no condado de Yorkshire, na Inglaterra, enquanto o pai lutava na Primeira Guerra Mundial.

"Ela ia brincar no jardim o tempo todo, ficava molhada, voltava com a roupa, os sapatos e as meias sujos, e sua mão pedia a ela que não fosse mais brincar lá. Um dia, para se justificar, Frances disse que queria brincar no jardim porque brincava com fadas", conta a escritora.

E foi essa declaração, feita de forma espontânea, que motivou Frances e Elsie a buscarem uma forma de provar para a mãe de Frances que a menina estava dizendo a verdade.

Elas pegaram emprestada a câmera do pai de Elsie e decidiram "fotografar" as fadas.

"Talvez a foto mais famosa seja a de Frances. Ela está posicionada na margem (do rio), com uma cachoeira ao fundo. Ela está inclinada para a frente, olhando para cinco fadas que dançam animadamente."

"A segunda foto é de Elsie, a mais velha. Ela está em um campo junto do que, na época, se estabeleceu ser um gnomo que parece estar caminhando na direção dela. "

Meio século mais tarde, Elsie descreveu para a BBC o que ela teria visto naquele dia, em 1917.

"Este é o lugar onde vi o gnomo. Eu estava aqui e Elsie estava ali, com a câmera. O gnomo veio de trás daquela árvore, caminhou até onde eu estava. Eu achei que ele ia me tocar e estendi o braço, mas ele desapareceu. Eles eram assim, chegavam perto e depois desapareciam", disse Wright.

As fotos são de ótima qualidade, se considerarmos o período e o fato de que foram tiradas por meninas. E as fadas não têm aparência etérea. Pelo contrário, são bastante sólidas.

Aos olhos de hoje, as fadas são claramente bidimensionais e as fotos, como um todo, excessivamente posadas. 
Durante alguns anos, foram guardadas pela família, como uma espécie de piada. No entanto, três anos após o fim da Primeira Guerra, a mãe de Elsie - como muitos britânicos naquele período - começou a se interessar por Teosofia.


"Era um movimento que investigava ideias a respeito do mundo espiritual, procurando dimensões alternativas onde pudesse existir vida. Se você leva essa ideia um pouco mais longe, você pode considerar a possibilidade de que fadas e outros seres místicos realmente existam entre nós", pondera Gaynor.

"As pessoas estavam desesperadas. Tentavam se agarrar a qualquer coisa que pudesse trazer respostas à questão, por que o Deus cristão tinha permitido os horrores das trincheiras?"

Na Grã-Bretanha, ao final da Primeira Grande Guerra, milhões de pessoas haviam perdido entes queridos. Abundavam questionamentos, no país, sobre sociedade, religião e a vida após a morte.

Foi nesse contexto que as mães das meninas decidiram ir a uma reunião da sociedade de teosofia da região para participar de uma discussão sobre a vida das fadas. Elas levaram consigo as fotos das filhas, e as imagens despertaram grande interesse.

Pouco tempo depois, as fotos foram parar nas mãos de um importante membro da sociedade, o escritor Sir Arthur Conan Doyle.
"Na época em que tomou conhecimento das fotos, ele já havia recebido uma encomenda (da publicação) Strand Magazine para escrever um artigo sobre a vida das fadas. Ele rapidamente pediu a especialistas em fotografia que analisassem as fotos para estabelecer se eram genuínas. Elas foram declaradas autênticas. Segundo os especialistas, não havia evidências de falsificação. Então, quando Conan Doyle escreveu seu artigo, usou as fotos para embasar sua afirmação de que a vida das fadas era real. E se alguém tivesse dúvida, aqui estava a evidência fotográfica", conta Gaynor.

A febre das fadas tomou conta da nação e as fotos foram levadas em turnê pelo Reino Unido e pelos Estados Unidos.

Meio século mais tarde, Elsie continuava a defendê-las.
"O que as pessoas não conseguem entender é que as fotos foram tiradas em dias nublados, mas as fadas estavam iluminadas. Elas pareciam emitir luz, e pareciam se mover."

A história sobreviveu mais alguns anos, até que, em 1983, Elsie finalmente confessou à BBC: ela havia desenhado e recortado as figuras em papel cartão. E para que aparentassem estar suspensas no ar, tinha colado as figuras em palitos fincados no solo.
"Por que você decidiu admitir a verdade, tantos anos depois?", perguntou o jornalista da BBC.

"Tenho três netas, não quero que essa história se estenda para sempre. Achei melhor esclarecer isso de uma vez por todas."
Pós-guerra
Mas como foi possível que uma fantasia de duas meninas convencesse tantas pessoas importantes como Sir Arthur Conan Doyle?

"Ele tinha um tio que era ilustrador de livros de contos de fadas, e o pai de Conan Doyle também se interessava por histórias de fadas", conta Gayle.

Mas havia ainda uma outra conexão com a família das meninas. Assim como o pai de Frances, o filho de Conan Doyle tinha lutado na guerra. E morrido.

"Ele tinha perdido o filho. Acho que sentia grande culpa, pois havia incentivado esse filho a ir para a guerra. Além disso, também havia se envolvido na propaganda da guerra, para aumentar o número de recrutas. Acho que ele se sentia responsável e culpado. "

Esse é quase o final da história. Existe uma quinta foto, onde aparecem apenas fadas, emanando luz, que parecem emergir de um ninho de grama. Essa foto, Frances insistiu até o fim, era realmente verdadeira.

"Quanto mais eu pesquiso, mais me interesso pela vida de Frances. Uma menina que se mudou de seu país, seu pai foi lutar na guerra... Talvez as condições fossem perfeitas para que ela se conectasse com uma outra esfera. Acho que é muito mais encantador acreditarmos que há um elemento de verdade nessa história. "

O livro de Hazel Gaynor chama-se The Cottingley Secret e foi publicado pela editora Harper Collins.

Mundo Espiritual

Textos que parecem mensagens cifradas, desenhos de mulheres nuas em banheiras com líquido verde, símbolos do zodíaco e desenhos de plantas e criaturas estranhas. Não é de se estranhar que estes e outros elementos, parte do conteúdo do Manuscrito Voynich - um livro ilustrado datado do período entre os séculos 15 e 16 e encontrado em 1912 pelo comerciante Wilfrid Voynich, que batiza o objeto - tenham intrigado especialistas e leigos há décadas sobre sua origem e função.

Com tamanho pequeno, 240 páginas ilustradas e uma capa de couro desgastada, o livro já foi chamado de "o manuscrito mais misterioso do mundo", de obra de extraterrestres e até de "uma farsa" fabricada por Wilfrid Voynich.

Mas no início deste mês, o historiador britânico Nicholas Gibbs diz ter chegado à resolução de tamanho e duradouro mistério. E, segundo seu artigo publicado na prestigiada revista britânica The Times Literary Supplement, a resposta é simples: o livro tinha como objetivo aconselhar sobre a saúde - principalmente a das mulheres - e é uma amostra da medicina medieval de seu tempo.

Em seu texto na The Times Literary Supplement, que ganhou o título "Manuscrito Voynich: A solução", Gibbs diz que o objeto é "um livro de referências de remédios retiradas dos tratamentos padrão do período medieval, um manual de instruções para a saúde e o bem-estar para as mulheres mais abastadas da sociedade, e que muito possivelmente foi escrito para uma única pessoa".

Latim
Se por muito tempo acreditou-se que as estranhas palavras do livro eram criptografadas, Gibbs apresenta uma explicação alternativa: elas seriam abreviações de termos do latim. Mais especificamente, seriam ligaduras tipográficas - o nome que se dá à grafia que une duas ou mais letras em um único símbolo (como Æ e &, neste caso uma união das letras "E" e "T"). Este recurso era muito utilizado na Idade Média como forma de economizar espaço e trabalho pelos escribas de então.

"Como alguém com uma longa experiência na interpretação de inscrições em latim em monumentos clássicos, nas tumbas e em chapas metálicas de igrejas inglesas, reconheci no Manuscrito Voynich sinais reveladores de um formato abreviado de latim", escreveu Gibbs.

BBC


Em um pronunciamento louco e destemperado, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acenou com a possibilidade de destruir a Coréia do Norte.

A declaração chocou o mundo.

Da BBC:
EUA estão preparados para ‘destruir totalmente’ a Coreia do Norte, diz Trump na ONU

Diante das Nações Unidas, o presidente americano Donald Trump disse que os Estados Unidos estão prontos para “destruir totalmente” a Coreia do Norte caso seja “forçado” a defender a si e a seus aliados.

“Estamos prontos, dispostos e aptos (a atacar a Coreia do Norte), mas esperamos que não seja necessário. Vamos ver como eles se saem”, afirmou, antes de pedir que os países do mundo trabalhem para “isolar” o líder coreano.

Em seu primeiro discurso na 72ª Assembleia Geral da ONU, em Nova York, Trump falou sobre a ameaça de “países erráticos” e mencionou também o Irã e a Síria.

O americano também fez piada com o líder norte-coreano Kim Jong-un, chamando-o de “rocket man” (“homem do foguete”, em tradução livre) e dizendo que ele está em uma “missão suicida”.

Nas últimas semanas, a Coreia do Norte tem feito testes de bombas e mísseis desafiando os Estados Unidos, as sanções da ONU e também os pedidos da China, seu principal aliado.

Trump afirmou que países de culturas e valores diferentes devem ser capazes de conviver como nações soberanas, mas também criticou duramente o Irã, que chamou de uma “ditadura corrupta que exporta violência, sangue e caos”.

Ele pediu que Teerã deixe de “apoiar grupos terroristas” e disse que os EUA podem desistir do acordo feito com o Irã durante o governo Obama caso o país continue desenvolvendo um programa nuclear.

“Este foi o pior acordo em que os Estados Unidos já entraram. Francamente, é uma vergonha e vocês ainda vão ouvir falar muito disso”, disse.
‘Ideologia fracassada’
O presidente também reservou críticas ao governo de Nicolás Maduro, na Venezuela, que disse ter “destruído uma nação por meio de uma ideologia fracassada que trouxe pobreza a todos os lugares onde foi implementada”.

“O problema não é que o socialismo tenha sido implementado. É que ele tenha sido fielmente implementado”, afirmou, arrancando aplausos de parte da plateia.

Trump pediu que a ONU “faça mais” para lidar com a crise política e econômica no país e afirmou que, além das sanções já impostas, os EUA “estão preparados para fazer mais”.

A terceira “nação errática” mencionada pelo presidente foi a Síria e o “regime criminoso de Bashar al-Assad” – que ele acusou de usar armas químicas contra a população.

Ao falar dos conflitos no Oriente Médio e no norte da África, Trump disse que os EUA gastam milhões para “apoiar a volta dos refugiados para seus países de origem”.

“Pelo custo de assentar um refugiado nos Estados Unidos, assentamos dez em suas nações ou em locais próximos. A migração descontrolada é ruim para os países que enviam e também para os que recebem”, afirmou.

noticias.msn




As agências dos Correio do Rio Grande do Norte também irão aderir a paralisação por tempo indeterminado decidida em assembleia nacional.

As conquistas trabalhistas que a ECT quer retirar dos trabalhadores, destacam-se o fim da obrigatoriedade dos concursos públicos; fim de pagamento de horas extras, instituindo banco de horas; fim da entrega de correspondências pela manhã, já flexibilizando e aumentando a jornada durante a tarde e anoite; retira a segurança armada dos bancos postais e das agências; extingue as cláusulas de proteção às gestantes, que poderão trabalhar em locais impróprios ou insalubres (salvo se houver recomendação médica, mas o médico será designado pela empresa e não precisa ser um especialista); exclui as comissões regionais que tratam da violência contra a mulher e da violação dos direitos humanos; retira a indenização por morte ou invalidez permanente; exclui textos que dificultem ou criem barreiras para a execução da Dispensa Motivada; extingue a fiscalização do cumprimento do acordo coletivo de trabalho por parte do sindicato e proíbe o aceso de dirigentes sindicais nos locais de trabalho; acaba com a participação dos aposentados nas ações da ECT entre outras medidas


O general quatro-estrelas da reserva Augusto Heleno publicou ontem, em uma rede social, uma declaração de apoio ao general da ativa Antonio Hamilton Martins Mourão, que, em uma palestra na sexta-feira passada, defendeu a possibilidade de intervenção militar em razão da crise política no País. Heleno foi o primeiro comandante brasileiro da Força de Paz no Haiti, em 2004.

“Meu apoio irrestrito ao meu amigo de longa data e respeitado chefe militar (Mourão)”, escreveu Heleno, no Facebook.

No texto de desagravo, o general afirmou que é “preocupante o descaramento de alguns políticos, indiciados por corrupção e desvio de recursos públicos, integrantes da quadrilha que derreteu o País, cobrando providências contra um cidadão de reputação intocável, com 45 anos de serviços dedicados à Pátria”. “Aconselho que, pelo menos, se olhem no espelho da consciência e da vergonha”, escreveu Heleno.

“Em resposta a uma pergunta, colocada diante de uma plateia restrita (na Loja Maçônica de Brasília), ele (Mourão) limitou-se a repetir, sem floreios, de modo claro e com sua habitual franqueza e coragem, o que está previsto no texto constitucional. A esquerda, em estado de pânico depois de seus continuados fracassos, viu nisso uma ameaça de intervenção militar. Ridículo”, afirmou o general da reserva.

Apoio. A postagem de Heleno recebeu apoio nos comentários. Além disso, segundo monitoramento feito por integrantes das Forças Armadas, 95% das postagens sobre o assunto foram de apoio às declarações de Mourão.

A fala de Mourão, porém, causou saia-justa no comando das Forças Armadas. O ministro da Defesa, Raul Jungmann, convocou o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, para pedir explicações em relação às declarações do militar e “orientá-lo quanto às providências a serem tomadas”. Villas Bôas disse ontem ao Estado que “as declarações do general Mourão não podem ser consideradas fora do contexto”. Ele, no entanto, defendeu uma solução interna sem punição ao militar

Mourão, que atualmente ocupa o cargo de Secretário de Economia e Finanças do Exército, em outubro de 2015 já ficou no centro de outra polêmica, quando criticou o governo petista e a então presidente, Dilma Rousseff. Ele perdeu, com isso, a chefia do Comando Militar do Sul – Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

ESTADÃO CONTEÚDO


Joesley Batista, da J&F, diz que não gravou o ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), nem qualquer outro magistrado de tribunais superiores do país.

SIM OU NÃO
Antes de ser preso, ele deixava sempre no ar a possibilidade de ter feito a gravação. Há alguns dias, foi questionado diretamente por advogados que o representam, de forma incisiva, sobre a existência de fitas de conversas com Mendes ou outros ministros. Uma resposta positiva poderia até inviabilizar que eles continuassem na defesa do empresário.

NÃO EXISTE
Joesley acabou negando pela primeira vez que tenha feito qualquer registro.

GRANDE IRMÃO
Transferido de Brasília para São Paulo, Joesley está com o irmão, Wesley Batista, na carceragem da Polícia Federal. A proximidade acalmou o empresário.

Mônica Bergamo, Folha de São Paulo


Não se trata de reconstrução de hímen. O tratamento estético da vez, que vem sendo chamado de rejuvenescimento íntimo, nem se preocupa com a película sempre atrelada à virgindade. Em termos de aparência, ele pode diminuir o monte pubiano, atuar na flacidez dos grandes lábios e clarear a região como um todo. De quebra, promete aumentar o prazer da mulher na relação sexual.

– Este tipo de procedimento era algo muito restrito às atrizes pornôs. Mas desde que o brazilian wax (depilação à brasileira) começou a fazer sucesso no mundo, a mulher começou a olhar mais para a própria vulva. Fora que hoje ela é jovem e sexualmente ativa por muito mais tempo e percebe que essa região também envelhece e revela a idade – afirma a ginecologista Viviane Monteiro, da clínica da All Clinik.

Por meio de um laser, a médica consegue estimular a produção de colágeno, promovendo a sustentação da pele e o aumento da vascularização local. Em resposta ao estímulo, acontece o estreitamento do canal vaginal, gerando mais atrito e sensibilidade durante o sexo.

Foi o que sentiu a médica Amanda, de 36 anos, que fez o rejuvenescimento após ter dois partos normais:

– Me dá mais prazer na relação. Esteticamente melhorou muito: tinha uma cicatriz do parto e flacidez. Depois do laser, a cor pareceu mais como era antes da gravidez – conta ela, que é bailarina nas horas vagas e procurou o tratamento porque sentia que a bexiga pesava durante a execução dos exercícios, molhando a calcinha.
Para a empresária Marcela, de 43 anos, casada há 25, o rejuvenescimento funciona como um “botox”:

– Com a idade, você perde colágeno não só no rosto, mas em todo o corpo. Como consequência, você está rindo, e tem um pequena incontinência. Não podia gargalhar, pular. Isso aos 40 e pouco… De bônus, o tratamento deu um gás na relação: – Nunca exagerei na depilação. Sempre disse para a depiladora que não era para ser capa da “Playboy”. O tratamento fez isso também, revelou minha vagina. Já na segunda sessão, meu marido ficou curioso, percebeu a diferença, ficou animado…

Quando o tratamento é estético (o laser também é usado para questões funcionais, como essas pequenas incontinências urinárias), pode ser associado a procedimentos como o preenchimento dos grandes lábios vaginais e os peelings superficiais, que fazem o clareamento da região.

– Em geral, é algo indolor, e são recomendadas de três a cinco sessões, com intervalos mensais, e uma anual, para manutenção. Já no dia seguinte, é possível voltar a praticar atividades físicas. Sexo só depois de uma semana – explica Viviane.

Além dos tratamentos com laser, em 2016, a cirurgia plástica vaginal correspondeu a 1,7% dos procedimentos realizados pelos cirurgiões plásticos no Brasil. Pode parecer pouco, mas no total, foram mais de 25 mil pacientes que se submeteram à técnica. Segundo a Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS), o Brasil é líder nesta cirurgia, realizando quase o dobro do que foi feito no país que mais faz plásticas no mundo, os Estados Unidos.

Segundo o médico Rodrigo Itocazo Rocha, regente do Capítulo de Cirurgia da Genitália e Intersexo da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, a busca por intervenções funcionais e estéticas começou forte nos últimos cinco anos, sendo que, anteriormente, o campo de atuação era muito restrito a deformidades congênitas e traumatrismos.

– A procura aumentou principalmente por parte das mulheres que tomam hormônio na musculação e que acabam tendo hipertrofia do clitóris, que fica muito proeminete e incomoda na relação, e por mulheres que passam por cirurgias bariátricas e acabam tendo sobra de pele na região pubiana – diz ele, que hoje estima que 37% das pacientes procuram as cirurgias na vulva por motivos apenas estéticos, 30 a 31% por questões funcionais e o último terço pela combinação das duas coisas. 
The Vulva Gallery”: projeto da artista holandesa Hilde Atalanta – Reprodução Instagram


No caso da cirurgia, que movimenta tecidos e tira excesso de pele, é indicado, de acordo com Rodrigo, repouso relativo por duas semanas:
– É uma região bastante vascularizada, que tende a inchar bastante. Neste caso, sexo só depois de 4 a 6 semanas.

NOVOS PADRÕES
Para a antropóloga Mirian Goldenberg, autora de “Por que os homens preferem as mulheres mais velhas?”, da editora Record, a procura por tratamentos do tipo reflete um pânico feminino diante do envelhecimento, mas também revela uma fonte de poder:

– No Brasil, o corpo, principalmente para as mulheres, é o verdadeiro capital, um lugar onde elas investem tempo, dinheiro, preocupação. Mas não é um corpo qualquer: é um corpo magro, jovem, bonito, em forma. Mesmo mulheres que estão em profissões que não precisam desse cuidado são culturalmente obrigadas a investir nisso.

Na visão da pesquisadora, a busca pelo melhor aspecto da vagina mostra ainda uma mudança cultural em relação à sexualidade feminina:

– A vagina era uma área invisível para as mulheres. Quando ela passou a exergar e pôde achar que não era bonita dentro deste modelo de corpo, passou a querer transformar, assim como ela pinta o cabelo. Por que ela vai descuidar de uma parte que também pode ficar mais bonita? – questiona Mirian, que acredita que as mulheres buscam mais a transformação para si do que para agradar aos parceiros: – Fiz uma pesquisa com mulheres que fizeram plástica, e a maioria dizia que fazia para si e não para o outro. Elas se sentem muito mais poderosas porque podem ter o corpo que sempre desejaram e, principalmente, podem fazer o que querem com o próprio corpo.

– Meu marido não é muito atento. Acho que eu senti mais do que ele a diferença em termos de sensibilidade – confirma Amanda.

Há, no entanto, quem defenda que, por trás da busca por esses procedimentos, estão padrões de beleza que oprimem o sexo feminino. Para encorajar mulheres a se olharem, se conhecerem e se gostarem, as designers Karen e Kelly se uniram em um projeto que cola desenhos e fotos de vaginas, numa estética lambe-lambe, pelos muros de São Paulo.

– A inspiração foi a personagem “Clódia” – de “Contos de Escárnio”, da escritora Hilda Hilst – uma artista plástica obcecada por desenhar bucetas. Motivada pelo conto, me propus a também desenhar bucetas e não consegui, primeiro porque não tinha repertório nem referências de como criar essas representações, depois porque a simples ideia de desenhá-las me despertava sentimentos angustiantes, dentre eles vergonha e nojo – afirma Kelly.

Para Karen, a decisão de modificar o corpo é pessoal, mas “ter clareza do por que se está fazendo esse tipo de procedimento é importante”:
– Sabemos que há um ideal de mulher, em sua maioria branca, magra e jovem, reflexo de uma construção machista. A representatividade plural de mulheres de diversas raças, corpos e idades é uma questão latente.

Mostrar essa diversidade também é o objetivo da artista holandesa Hilde Atalanta, que criou o projeto “The Vulva Gallery” para reuniur inúmeras ilustrações de vulvas e, assim, tentar aliviar a pressão que as mulheres sofrem acerca do próprio corpo. O escultor Jamie McCartney foi outro que já chamou a atenção para o assunto com sua obra The Great Wall of Vagina (O Grande Muro de Vaginas), que foi exposta em Londres. Durante quatro anos, o artista inglês realizou moldes em gesso de órgãos genitais de 400 mulheres para chamar atenção para consequências derivadas do abuso da pornografia e da plástica vaginal.
O Grande Muro de Vaginas, do escultor Jamie McCartney – Reprodução

Alheias às discussões feministas, as marcas de beleza surfam na onda deste novo mercado que se tornou a vagina. A dinamarquesa ‘The Perfect V’ lançou uma linha de produtos chamada “VV cream”, que promete deixar a área iluminada, aveludada e firme: são cremes, séruns, esfoliantes, tônicos. O carro-chefe da marca é um iluminador transparente, que funciona mesmo como uma maquiagem clarendo e minimizando imperfeições, além de dar um brilho extra para a área. Os preços do e-commerce são a partir de US$ 21. Outro produto que ganhou destaque nas revistas de beleza foi o Fur Oil: um óleo composto de nove ingredientes – entre eles semente de uva, sálvia esclareia e jojoba – dedicado a cuidar dos pelos pubianos e que também deu origem a uma linha de produtos como cremes para a área.

Para quem quer brilhar ainda mais na hora do sexo foi criada uma pílula de glitter, comercializada com o nome de “passion dust” (poeira da paixão), que tem como função espalhar purpurina durante a penetração. A ideia de transformar a performance em um grande desfile de carnaval, contudo, pode render infecções, alertam ginecologistas.

O Globo


Advogado de Nem nega que traficante tenha ordenado invasão à Rocinha – Stringer / Reuters

A proposta da defesa do traficante Antônio Francisco Lopes, o Nem, de um acordo junto à Segurança do estado para reduzir os índices de criminalidade foi alvo de fortes críticas de entidades da classe, associações de juízes e do Ministério Público do Rio. Anteontem, na sede da Associação Brasileira dos Advogados Criminalistas (Abracrim), Jaime Fusco, um dos que defendem o criminoso, disse que se colocava à disposição do governo do Rio para buscar uma solução para a violência. Por trás da tentativa de aproximação, estaria uma negociação para trazer o traficante, que está num presídio federal em Rondônia, de volta para o estado.

Fusco afirmou, na segunda-feira, que poderia ajudar o estado. “Somos autoridades e sabemos que podemos ser melhor aprovados pelo estado para haver esse diálogo”, chegou a dizer o criminalista, que era da comissão de segurança da Abracrim, função da qual foi destituído ontem. Segundo Fusco, com Nem de volta à cidade, seria possível diminuir até os roubos de cargas, uma vez que a favela da Pedreira, em Costa Barros, onde mais ocorre este tipo de crime, é da mesma facção criminosa do bandido.

Na opinião da presidente da Associação de Magistrados do Estado do Rio de Janeiro (Amaerj) e vice-presidente institucional da Associação dos Magistrados Brasileiros, a juíza Renata Gil, a proposta de acordo é absurda. Segundo ela, é preciso buscar apoio do governo federal para se combater a criminalidade no estado.

— Somos contra qualquer tipo de acordo com a criminalidade, pois vivemos num estado democrático de direito. Não vejo que o caminho para conter a violência no Rio seja um acordo com chefes de organizações criminosas. Ficou claro que as forças do estado são insuficientes para dar segurança à população, mas não é por isso que iremos aceitar propostas absurdas. Os chefes de facções querem voltar à cidade porque estão incomodados pelo fato de estarem longe dos territórios que ainda têm sob domínio. Os presídios federais são importantes para isolá-los — disse a magistrada.

Sobre a alegação da defesa de Nem de que o traficante estaria fora do estado de origem além do tempo previsto na Lei de Execuções Penais (LEP), a juíza não quis discutir a questão. Segundo ela, cabe ao juiz decidir sobre o caso:

— Na minha experiência de mais de 20 anos atuando na área criminal, não vejo garantia alguma em acordos com bandidos. O preso tem que cumprir a sua condenação dentro da lei. O problema da criminalidade é estrutural, antigo e precisa de um grande esforço nacional para ser resolvido.

O procurador-geral de Justiça, Eduardo Gussem, também afirmou que o compromisso do Ministério Público é com a “defesa intransigente” do estado democrático de direito.

— A referida proposta é inconcebível. O Ministério Público não reconhece a legalidade desse tipo de acordo. O cumprimento da pena por parte dos presos condenados deve obedecer aos princípios constitucionais e às normas previstas na Lei de Execução Penal — ressaltou Gussem.

Juiz da Vara de Execuções Penais (VEP) do Rio, Rafael Estrela entende que uma decisão judicial não permite negociação com as partes. Ele lembra que o preso vai para um presídio federal por necessidade de segurança do Estado e que a decisão cabe à VEP. Para o presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil, Roberto Veloso, não há a necessidade de acordos com as defesas de presos. Basta o cumprimento da lei:

— Quem decide sobre a conveniência e a oportunidade de os presos serem transferidos para presídios federais é o juiz da execução penal. O preso tem um prazo de permanência de até 360 dias, período em que a medida pode ser prorrogada, desde que o juiz da VEP requeira. O juiz federal só analisa se a documentação está correta e se persistem os motivos para a permanência dele na unidade prisional federal.

Presidente da Comissão de Segurança Pública da OAB-RJ, o criminalista Breno Melaragno disse que o acordo proposto pelo advogado de Nem não representa a posição da entidade.

Na reunião da Abracrim em que Fusco fez a proposta, estavam cerca de 30 criminalistas. Ontem, o presidente da associação, James Walker, se pronunciou sobre o fato, após destituir o advogado de Nem da presidência da Comissão de Segurança Pública da entidade:
— A Abracrim não será interlocutora entre presos e autoridades da segurança pública.

A Secretaria de Segurança não quis se pronunciar sobre o assunto. Nesta terça-feira, Fusco disse apenas que exige o cumprimento da Lei de Execuções Penais.

O Globo


Author Name

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.